Artigo de Opinião
Tendência

Os gritos da minha terra!

Por: Milda Quaria

As pessoas deviam considerar abandonar essas áreas porque parece que a ideia é mesmo essa. Isolar Cabo delgado…Deixarmos a província de Cabo Delgado como um trofeu dado de bandeja aos interesses dos que diariamente nos matam sem piedade…

Deixarmos Cabo Delgado como um campo de batalha, Cabo De Sangue, ou mesmo como um Cabo Esquecido no meio de tantas ferramentas.

Não existem terroristas sem alvo para criar terror. Cabo Delgado, fomos escolhidos pelo senhor azar, cujo sentenciou-nos a morte a sangue frio, catanas e catanas….

“Tu Cabo Delgado, vais rolar cabeças”….disse tio Azar quando nos encheu de muita riqueza natural e mineral.

E para onde vão? Para onde nós iremos?
Para onde..?? Para onde, para onde e para onde?!
Boa pergunta!!!
Vamos juntos perguntar ao governo.

Ou melhor, esperamos que este grupo de terroristas seja eliminado, porque nos nossos olhos já não há lágrimas, está tudo seco de tanto chorar!

Não fale de lágrima oh Moçambique…

Sabes mamã Moz, as nossas lágrimas já não são aquelas normais…

Acredito que a mamã Moz só se recorda dos choros que o seu filho Cabo Delgado deu quando deu a luz desta província(somos tratados como animais de caça em campo minado), la no hospital do norte, arredores do rio Rovuma, onde tanta ganancia transformou o sorrisos da em choros, trouxe desgraça naquele canto do país. Sim, lá na terra do Mapiko e Damba, há muita riqueza mineral e natural que leva seu filho que geraste em seu ventre, Cabo Delgado, a ser esquecido neste país o qual faz parte por conta do sangue derramado dia a pós dia.

Mamã Moz, o seu filho parece um órfão ( Cabo de Sangue), desde que os seus netos Mocímboa da Praia, Macomia, Nangade, Quissanga, entre outros netos seus mamã Moz, estão sendo brutalmente estuprados pelos filhos dessa terra e outros dos irmãos vindo da Tanzânia, Quénia, Congo, Burundi etc., acolhemos no nosso país, amamos, tratamos como família, deixamos abrirem suas lojas, compramos em troca disto engravidaram nossas irmãs, tratamos com devido respeito e familiaridade, para finalmente apunhalarem este povo pelas costas. Mamã Moz, as nossas lágrimas são lagrimas de sangue, cheias de dor, angústia, sofrimento, aflição, desgraça, traumas, fome e muito rancor no coração de quem nos mata a sangue frio… Escute-nos mamã Moz e acorda, faça alguma coisa, please momy! tafadali mamã!

Ganancia…maldita ganancia!!!

Aos que se encontram fora de Cabo de sangue, dizem em seus confortos, sentados comodamente vendo novelas, series etc.: afirmam que o governo deve criar centros para para acolher deslocados de guerra,…parece simples quando se pensa assim…wanlahi va!
As pessoas já estão cansadas de serem deixadas nesses tais centros sem nenhuma condição….os deslocados lá, não fazem nada além de esperar a boa vontade de algumas organizações que têm apoiado em produtos alimentares. Olha, o que nós recebemos aqui nos centros de acolhimento, nem chega para uma uma semana devido ao número de agregado familiar….achas isso vida.?

Acredite, não é ingratidão, mas uma pura lamentação devido aos desvios dos produtos, até mesmo as cobranças feitas a pessoas que tudo perderam na guerra!

Já viste as meninas que têm sido esfregadas manguitos em troca de comida?! Basta disso! Basta! Basta e basta!!! BASTA DISSO!

Por isso temos visto casos de pessoas a voltarem aos pontos de origem mesmo sabendo dos riscos.
É a triste realidade vivida nos centros de acolhimento aos deslocados de guerra de Cabo Delgado.

No comments. 🤐 ok! Certo!
Epá,…então eles estão a preferir decapitação mesmo? Só podemos rezar por eles…Só podemos rezar por vós isolados deste país….

Mamã Moz! Somos todos um só povo! Não rezem só por nós de Cabo delgado, mas por nos Moçambicanos. O país não esta bem. Insgurança, guerra, fome, custo de vida cada vez mais alto a cada segundo, dividas ao mais estremo sub responsabilidade do povo, para o conforto de uma gangue do estado metida a espertinha, sequestros, etc.

Mamã Moz, huuummmmm, O PAÍS TODO CHORA POR DESGRAÇA aqui na terra do metical.

Aqui é mais entre a fome e a sobrevivência. Voltando ao Cabo Desligado, se mamã Moz se nega de ter notícias de como realmente estamos a viver, ficaremos convencidos de que fomos excluídos nesta lista de um só país; Moçambique. afinal, irmão procura ter noticias do outro irmão.

Estamos fu´´dos! Neste momento com as mãos cheias de sangue do tio Nangade que sofreu três profundas picadas no coração, dessas espadas dos nossos irmãos que desconhecem a sua essência, e nem pretendem voltar a sua essência, o meu corpo treme de dor, o meu coração já é sangrento desde 2017 a 5 de Outubro…imagina…casas queimadas, filhos decapitados e raptados.

Não é questão de escolha mamã Moz, pois eles não têm opções🤷🏾‍♂️! São lamentações deste coração triste cujo a sua visão não consegue identificar as outras cores da nossa bandeira se não o preto de luto e o vermelho de sangue!

Já te imaginaste sair a correr, você e toda tua família para um outro canto do país que não tenhas abrigo, família, comida, documentos, etc.🤔Bom, nós gostaríamos, mas para aonde iremos, com que dinheiro? ! prontos paremos por aqui…vamos morrer aqui, somos pessoas sem terra!…

Mesmo na cidade de Pemba, há vários pais que mandaram seus filhos para fora da província, por questões de segurança, e nós outros que não o fizemos achas que foi por opção? Não🤷🏾‍♂️. Não há dinheiro.

Deixemos isso, pois sofremos para expulsar o colonialista português, mesmo assim conseguimos… também conseguiremos acabar com esta guerra e um dia saberemos quem financiou para que nós ficássemos viúvas, nossos filhos ficassem órfãos, sem nada, sem perna, com traumas de disparos, casas queimadas, e cabeças rolando no chão, mortes e mortes. Nós saberemos.

Acha que 4 anos não é suficiente para termos conhecimentos sobre quem financia esta guerra? Ou estas convencido de que Bonomar é a cabeça desta cena toda?! Sempre digo…esse puto não passa de um pau mandado. Queremos a cabeça verdadeira desta brutalidade na nossa província. Quem financia o terrorismo em Cabo Delgado?! (Milda Quaria)

Quaria News

QUARIA NEWS Quaria News é uma plataforma de jornalismo online com princípios democráticos ao dispor do País e ao mundo fora, que tem como principal objectivo assegurar ao leitor o direito de ser informado com verdade, rigor e isenção. Tudo o que a Quaria News traz é público, são informações de primeira, resultado de seu trabalho investigativo, originalmente feito por seus editores e jornalistas que depois tornaram público ajudando ao leitor a tomar a sua opinião. QUARIA NEWS fáz cobertura jornalistica com vista analítico de economia política, respeitando as diversas ideias, motor de desenvolvimento da nossa democracia. Para QUARIA NEWS a tecnologia não está para mudar a informação, pois muda e sempre mudará os meios de informação, A VERDADE SEMPRE PREVALECE. A QUARIA NEWS constitui sem prejuízo os seus valores e a sua vivacidade jornalistica, um traço de união entre todos os moçambicanos, independentemente das suas opiniões politicas, localização regional ou crenças religiosas, desempenhando um papel moderador de Conflitos que se manifestam na sociedade Moçambicana! A QUARIA NEWS concilia a sua vocação de órgão de grande informação através de vários meios de transmissão e difusão da mesma, com o seu papel tradicional de jornal de referência com responsabilidades na formação de opinião pública dirigente. A QUARIA NEWS respeita o normativo da Constituição da República, segundo o qual o exercico dos direitos de liberdade de expressão e informação, "não pode ser impedido ou limitado por qualquer tipo de censura", entendendo-se por censura a sonegação ilícita de informações, por razões políticas ou outras, e não a necessária e legitima seleção de notícias e artigos de opinião. A QUARIA NEWS assegura, nas suas páginas, a possibilidade de expressão e confronto das diversas correntes de opinião existentes no País, mas não se esquece que o bom Jornalismo se faz com o trabalho dos jornalistas e dos editores. QUARIA NEWS produz um jornalismo apartidario, crítico e independente, cultivando o contraditório como método inalienável. QUARIA NEWS verifica, escrupulosamente, as fontes noticiosas utilizadas e procura identifica-las com precisão, reservando-se o direito de analisar caso a caso, as circunstâncias excepcionais que possam justificar o recurso nos termos da lei, à respectiva confidencialidade, constituindo-se o jornal em grande da sua autencidade. QUARIA NEWS estabelece, rigorisamente, a distinção entre notícias e comentários, na base do princípio de que" os factos são sagrados, os comentários são livres", sem prejuízo da necessidade de ordenar, relacionar e explicar os acontecimentos relatados. A QUARIA NEWS assume responsabidade de emitir opinião própria, através de editoriais assinados pela Direcção, sempre de acordo com a linha editorial, que se define pelas seguintes caracteristicas: *Hierarquiza o seu noticiário segundo critérios de natureza jornalística, procurando avaliar a sua importância relativa, com a objectividade possivel e não consoante apriorismo ideológicos; *Respeita um conceito de seriedade jornalistica e não cede ao apelo fácil do sensacionalismo, que procede através da expansão do escândalo político, do crime e do sexo, apesar de ter conhecimento dos benefícios possiveis em termos de mercado de leitura. * Repugna o jornalismo do tipo confidencial, que não exista perante a devassa á intimidade da vida privada dos cidadãos nacionais ou residentes do mesmo modo que se recusa a conduzir campanhas com objectivos de denigrir a reputação de pessoas ou instituições. A QUARIA NEWS consagra particular atenção, na linha que é tradicional, ao noticiário e a divulgação cultural, e procurarmos manter as suas colunas abertas a colaboração das personaludades de maior relevo a cultura Moçambicana. A QUARIA NEWS garante a seus profissionais de jornalismo, o pleno respeito pelos princípios éticos de imprensa, consagrados no Estatuto do Jornalista e no Código Deontologico da profissao e reconhece a importância da acção do Conselho de Redação, para a respectiva salvaguarda. QUARIA NEWS segue a orientação definida nos termos da Lei 18/91 de 10 de Agosto, pelo seu Director e por este Estatuto Editorial, tendo como limites os princípios consagrados na constituição.

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo