EconomiaNotícias

Salários aumentaram pouco: “O poder de compra fica comprometido”

O Conselho de Ministros de Moçambique aprovou novos salários mínimos, com um aumento mais baixo de 3,6% e mais alto de 7,6%.

De acordo com a nova tabela, o ordenado mais baixo em Moçambique é pago na pesca de kapenta, que passa a ser de 4.591 meticais (o equivalente a cerca de 67,5 euros) e o mais alto entre os mínimos vigora nos serviços financeiros, que está fixado em 14.340 meticais (cerca de 210 euros).

A economista moçambicana Estrela Charles lamenta que o Executivo não tenha tido em conta a subida dos preços dos produtos alimentares e dos combustíveis, nem as crescentes dificuldades das famílias.

Em entrevista à DW África, a consultora financeira sublinha que o poder de compra dos moçambicanos fica ainda mais comprometido, tal como a cesta básica. Ainda assim, considera que há espaço para o Governo tomar medidas para amenizar o impacto da inflação nos agregados mais pobres.

O ordenado mais baixo é pago na pesca de kapenta, que passa a ser de 4.591 meticais

DW África: O Governo moçambicano aumentou os salários mínimos, mas de forma muito residual. O salário mais baixo, por exemplo, aumentou apenas 371 meticais (cerca de cinco euros). Como é que fica o poder de compra dos moçambicanos?

Estrela Charles (EC): O poder de compra do moçambicano fica comprometido. Aliás, já estava comprometido mesmo antes desse reajuste salarial, que nem podemos considerar como tal, visto que é um ajuste mínimo, muito inferior ao aumento do preço dos principais produtos alimentares. Realmente, será muito complicado.

Há também o agravante do aumento do preço dos combustíveis que tivemos no mês passado. Então, tudo isso coloca de facto em causa a cesta básica e o poder de compra dos moçambicanos.

DW África: Ou seja, o Governo com estes aumentos não está a ter em conta os impactos sociais que prometem ser devastadores no país?

EC: Não, não teve em conta. E é pena que o comité sindical não tenha tido muito peso ao longo da negociação. O comité sindical fez uma proposta de 30.000 meticais, mas foi aprovada uma proposta de 4.591 meticais (cerca de 67,5 euros), o que mostra que as reclamações do sindicato não foram tidas em conta, muito menos a situação económica do país.

DW África: O Governo diz que estes novos ordenados traduzem o atual momento económico e social que o país atravessa. Invoca, por exemplo, as calamidades naturais e o terrorismo em Cabo Delgado. Concorda com esta justificação do Governo?

EC: De maneira nenhuma. Essas justificações não se enquadram porque são fatores que ocorrem há mais de cinco anos. Quando falamos, por exemplo, da guerra em Cabo Delgado, estamos neste processo desde 2017. Não faz sentido também falarmos de ciclones quando são fenómenos a que Moçambique está suscetível há anos, além de que essa questão já está prevista no Orçamento do Estado.

O que o Governo devia fazer era tentar ajustar o salário mínimo de acordo com a subida dos preços. De recordar que tivemos ainda, no mês passado, o aumento das taxas de juro. Ou seja, são vários fatores que tornam cada vez mais difícil a vida e o poder de compra do cidadão moçambicano.

Quaria News

QUARIA NEWS Quaria News é uma plataforma de jornalismo online com princípios democráticos ao dispor do País e ao mundo fora, que tem como principal objectivo assegurar ao leitor o direito de ser informado com verdade, rigor e isenção. Tudo o que a Quaria News traz é público, são informações de primeira, resultado de seu trabalho investigativo, originalmente feito por seus editores e jornalistas que depois tornaram público ajudando ao leitor a tomar a sua opinião. QUARIA NEWS fáz cobertura jornalistica com vista analítico de economia política, respeitando as diversas ideias, motor de desenvolvimento da nossa democracia. Para QUARIA NEWS a tecnologia não está para mudar a informação, pois muda e sempre mudará os meios de informação, A VERDADE SEMPRE PREVALECE. A QUARIA NEWS constitui sem prejuízo os seus valores e a sua vivacidade jornalistica, um traço de união entre todos os moçambicanos, independentemente das suas opiniões politicas, localização regional ou crenças religiosas, desempenhando um papel moderador de Conflitos que se manifestam na sociedade Moçambicana! A QUARIA NEWS concilia a sua vocação de órgão de grande informação através de vários meios de transmissão e difusão da mesma, com o seu papel tradicional de jornal de referência com responsabilidades na formação de opinião pública dirigente. A QUARIA NEWS respeita o normativo da Constituição da República, segundo o qual o exercico dos direitos de liberdade de expressão e informação, "não pode ser impedido ou limitado por qualquer tipo de censura", entendendo-se por censura a sonegação ilícita de informações, por razões políticas ou outras, e não a necessária e legitima seleção de notícias e artigos de opinião. A QUARIA NEWS assegura, nas suas páginas, a possibilidade de expressão e confronto das diversas correntes de opinião existentes no País, mas não se esquece que o bom Jornalismo se faz com o trabalho dos jornalistas e dos editores. QUARIA NEWS produz um jornalismo apartidario, crítico e independente, cultivando o contraditório como método inalienável. QUARIA NEWS verifica, escrupulosamente, as fontes noticiosas utilizadas e procura identifica-las com precisão, reservando-se o direito de analisar caso a caso, as circunstâncias excepcionais que possam justificar o recurso nos termos da lei, à respectiva confidencialidade, constituindo-se o jornal em grande da sua autencidade. QUARIA NEWS estabelece, rigorisamente, a distinção entre notícias e comentários, na base do princípio de que" os factos são sagrados, os comentários são livres", sem prejuízo da necessidade de ordenar, relacionar e explicar os acontecimentos relatados. A QUARIA NEWS assume responsabidade de emitir opinião própria, através de editoriais assinados pela Direcção, sempre de acordo com a linha editorial, que se define pelas seguintes caracteristicas: *Hierarquiza o seu noticiário segundo critérios de natureza jornalística, procurando avaliar a sua importância relativa, com a objectividade possivel e não consoante apriorismo ideológicos; *Respeita um conceito de seriedade jornalistica e não cede ao apelo fácil do sensacionalismo, que procede através da expansão do escândalo político, do crime e do sexo, apesar de ter conhecimento dos benefícios possiveis em termos de mercado de leitura. * Repugna o jornalismo do tipo confidencial, que não exista perante a devassa á intimidade da vida privada dos cidadãos nacionais ou residentes do mesmo modo que se recusa a conduzir campanhas com objectivos de denigrir a reputação de pessoas ou instituições. A QUARIA NEWS consagra particular atenção, na linha que é tradicional, ao noticiário e a divulgação cultural, e procurarmos manter as suas colunas abertas a colaboração das personaludades de maior relevo a cultura Moçambicana. A QUARIA NEWS garante a seus profissionais de jornalismo, o pleno respeito pelos princípios éticos de imprensa, consagrados no Estatuto do Jornalista e no Código Deontologico da profissao e reconhece a importância da acção do Conselho de Redação, para a respectiva salvaguarda. QUARIA NEWS segue a orientação definida nos termos da Lei 18/91 de 10 de Agosto, pelo seu Director e por este Estatuto Editorial, tendo como limites os princípios consagrados na constituição.

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo