Artigo de OpiniãoDireitos HumanosEducaçãoPolíticaSociedade
Tendência

As vozes dos jovens tem sido tradicionalmente ignoradas!

Como Defensores do Estatuto da Juventude Africana, iremos liderar a defesa continental, regional e nacional pela ratificação e implementação efetiva do Estatuto, bem como a instituição de mecanismos efetivos de monitoramento e de relatório

No âmbito da celebração do dia Internacional da Juventude, que se assinala no dia 12 de Agosto os
Embaixadores da Carta Africana da Juventude-Moçambique servem da presente para manifestar a sua indignação face à situação deplorável em que muitos jovens encontram-se, de acordo com a Organização das Nações Unidas (ONU) existem pouco mais de 1.8 bilhões de jovens no mundo, dos quais 400 milhões a União Africana estima que estejam em África.
Lamentamos que no mundo, em África e particularmente em Moçambique, Angola, Malawi e África do Sul as taxas de Desemprego e subemprego tendem a subir a ONU estima que a pandemia exacerbou os numerosos desafios do mercado de trabalho enfrentados por jovens com idades entre os 15 e 24 anos,
que sofreram uma perda percentual de emprego muito maior do que os adultos desde o início de 2020. Estima-se que o número total global de jovens desempregados atingiu 73 milhões em 2022. Indignados porque para além da marginalização do direito à habitação condigna um em cada cinco jovens
(125 milhões) está a trabalhar, mas a viver em condições de extrema pobreza, com menos de 1 dólar por dia. Preocupados com os dados da ONU que informam que 200 milhões de jovens no mundo estão fora da escola, numa altura em que chegam-nos de Moçambique denúncias segundo as quais o Governo deste
país aprovou e distribuiu livros escolares que deturpam a real história do país, de Angola de que as aulas de língua portuguesa são monitoradas por estrangeiros supostamente Cubanos que não tem qualquer formação ou entendimento da Língua Portuguesa, entre outros escândalos, num claro atentado a uma geração. Alarmados com a falta de assistência psico-social e de subsídios condigno aos jovens militares e ou vítimas
de conflitos armados e outras formas de guerra em África especialmente em Moçambique, Sudão e Sudão do Sul, Nigéria, Ruanda, Mali, Burundi, República Democrática do Congo e Angola, onde milhares de jovens movidos pelo amor a pátria doam suas vidas sem qualquer assistência;

Logermínio Américo Mavile

Repudiamos a crescente tentativa de fechamento de espaço cívico aos jovens em todas as esferas, especialmente aos académicos, ativistas e jornalistas, num contexto em que os jovens são presos quando marcham pelos seus direitos numa clara violação dos direitos a manifestação e expressão;
Memoramos que ao longo dos anos, múltiplas declarações e pactos internacionais apelaram à elaboração
de políticas inclusivas, incluindo recomendações para acelerar a acção no sentido de um planeta saudável
para a prosperidade de todos, tal como estabelecido na Agenda de Estocolmo+50 para Acção, Renovação e Confiança – Resultados. Os jovens suportam um fardo desproporcionado das crises ambientais que o mundo enfrenta hoje, o que terá impacto no seu futuro. As investigações mostram que muitos destes se sentem frustrados e inauditos, criando um sentimento de injustiça que, nos últimos anos, alimentou uma onda de activismo climático liderado pela juventude.
Recordamos que como Defensores do Estatuto da Juventude Africana, iremos liderar a defesa continental, regional e nacional pela ratificação e implementação efetiva do Estatuto, bem como a instituição de mecanismos efetivos de monitoramento e de relatório. Isso está alinhado com a Iniciativa Um Milhão do
Comitê da União Africana, que busca promover oportunidades para a juventude africana nas áreas de Emprego, Educação, Empreendedorismo e Engajamento, sob o pilar do Engajamento, o programa dos
Defensores do Estatuto da Juventude Africana proporciona oportunidades para a juventude liderar a defesa dos compromissos continentais para seu desenvolvimento e garantir resultado.

Por: Francisca Guilherme Noronha e Logermínio Américo Mavile ( Defensores da Carta Africana da Juventude da União Africana-Moçambique).

Quaria News

QUARIA NEWS Quaria News é uma plataforma de jornalismo online com princípios democráticos ao dispor do País e ao mundo fora, que tem como principal objectivo assegurar ao leitor o direito de ser informado com verdade, rigor e isenção. Tudo o que a Quaria News traz é público, são informações de primeira, resultado de seu trabalho investigativo, originalmente feito por seus editores e jornalistas que depois tornaram público ajudando ao leitor a tomar a sua opinião. QUARIA NEWS fáz cobertura jornalistica com vista analítico de economia política, respeitando as diversas ideias, motor de desenvolvimento da nossa democracia. Para QUARIA NEWS a tecnologia não está para mudar a informação, pois muda e sempre mudará os meios de informação, A VERDADE SEMPRE PREVALECE. A QUARIA NEWS constitui sem prejuízo os seus valores e a sua vivacidade jornalistica, um traço de união entre todos os moçambicanos, independentemente das suas opiniões politicas, localização regional ou crenças religiosas, desempenhando um papel moderador de Conflitos que se manifestam na sociedade Moçambicana! A QUARIA NEWS concilia a sua vocação de órgão de grande informação através de vários meios de transmissão e difusão da mesma, com o seu papel tradicional de jornal de referência com responsabilidades na formação de opinião pública dirigente. A QUARIA NEWS respeita o normativo da Constituição da República, segundo o qual o exercico dos direitos de liberdade de expressão e informação, "não pode ser impedido ou limitado por qualquer tipo de censura", entendendo-se por censura a sonegação ilícita de informações, por razões políticas ou outras, e não a necessária e legitima seleção de notícias e artigos de opinião. A QUARIA NEWS assegura, nas suas páginas, a possibilidade de expressão e confronto das diversas correntes de opinião existentes no País, mas não se esquece que o bom Jornalismo se faz com o trabalho dos jornalistas e dos editores. QUARIA NEWS produz um jornalismo apartidario, crítico e independente, cultivando o contraditório como método inalienável. QUARIA NEWS verifica, escrupulosamente, as fontes noticiosas utilizadas e procura identifica-las com precisão, reservando-se o direito de analisar caso a caso, as circunstâncias excepcionais que possam justificar o recurso nos termos da lei, à respectiva confidencialidade, constituindo-se o jornal em grande da sua autencidade. QUARIA NEWS estabelece, rigorisamente, a distinção entre notícias e comentários, na base do princípio de que" os factos são sagrados, os comentários são livres", sem prejuízo da necessidade de ordenar, relacionar e explicar os acontecimentos relatados. A QUARIA NEWS assume responsabidade de emitir opinião própria, através de editoriais assinados pela Direcção, sempre de acordo com a linha editorial, que se define pelas seguintes caracteristicas: *Hierarquiza o seu noticiário segundo critérios de natureza jornalística, procurando avaliar a sua importância relativa, com a objectividade possivel e não consoante apriorismo ideológicos; *Respeita um conceito de seriedade jornalistica e não cede ao apelo fácil do sensacionalismo, que procede através da expansão do escândalo político, do crime e do sexo, apesar de ter conhecimento dos benefícios possiveis em termos de mercado de leitura. * Repugna o jornalismo do tipo confidencial, que não exista perante a devassa á intimidade da vida privada dos cidadãos nacionais ou residentes do mesmo modo que se recusa a conduzir campanhas com objectivos de denigrir a reputação de pessoas ou instituições. A QUARIA NEWS consagra particular atenção, na linha que é tradicional, ao noticiário e a divulgação cultural, e procurarmos manter as suas colunas abertas a colaboração das personaludades de maior relevo a cultura Moçambicana. A QUARIA NEWS garante a seus profissionais de jornalismo, o pleno respeito pelos princípios éticos de imprensa, consagrados no Estatuto do Jornalista e no Código Deontologico da profissao e reconhece a importância da acção do Conselho de Redação, para a respectiva salvaguarda. QUARIA NEWS segue a orientação definida nos termos da Lei 18/91 de 10 de Agosto, pelo seu Director e por este Estatuto Editorial, tendo como limites os princípios consagrados na constituição.

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo