NotíciasSociedade
Tendência

AMODEFA em Cabo Delgado preocupada com Uniões Prematuras

Agenda 2030 e os desafios do Combate as uniões prematuras e gravidez precoce em Cabo Delgado

A Associação Moçambicana Para o Desenvolvimento da Família (AMODEFA) em Cabo Delgado juntou diversas personalidades incluindo estudantes e membros da organização para refletir em torno da Agenda 2030: Desafios do Combate as Uniões Prematuras e Gravidez Precoce em Cabo Delgado, evento criado no âmbito das celebrações do Dia Mundial da População, 11 de Julho.

Abdy Engenheiro Presidente da AMODEFA em Cabo Delgado

Dado que Cabo Delgado é uma das províncias preocupantes no referente as uniões prematuras, o presidente provincial da AMODEFA, Abdy Engenheiro, sublinhou a necessidade de combater as uniões prematuras, intensificar os serviços de Planeamento Familiar (PF) e empoderar adolescentes e jovens através de vários mecanismos, incluindo disseminação de informação em Saúde Sexual Reprodutiva e Direito

Entretanto, a coordenadora da AMODEFA em Cabo Delgado, Cacilda Cuna, sugeriu a reflexão em torno das mensagens transmitidas dos ritos de iniciação como forma de não precipitar a prática das relações sexuais na adolescência, gravidez precoce e sua consequência na saúde, nomeadamente fístulas obstétricas, HIV e mortes maternas.

Cacilda Cuna coordenadora da AMODEFA Cabo Delgado


Deste modo, dados do Inquérito Demográfico e de Saúde 2011 indicam que Moçambique apresenta uma das taxas mais elevadas das uniões prematuras ao nível do mundo, afetando quase uma em cada duas raparigas e apresenta a segunda maior taxa na Sub-região da África Oriental e Austral, onde cerca de 48% das jovens com 20 e os 24 anos já foram viveram em uniões prematuras.


É de salientar que, as uniões prematuras constituem um dos principais problemas na África Austral, que pelas suas consequências negativas, tais como gravidez precoce, desnutrição crónica, fístula obstétrica, abandono escolar, se tornam um problema ao desenvolvimento socioeconómico. (QUARIA NEWS)

Quaria News

QUARIA NEWS Quaria News é uma plataforma de jornalismo online com princípios democráticos ao dispor do País e ao mundo fora, que tem como principal objectivo assegurar ao leitor o direito de ser informado com verdade, rigor e isenção. Tudo o que a Quaria News traz é público, são informações de primeira, resultado de seu trabalho investigativo, originalmente feito por seus editores e jornalistas que depois tornaram público ajudando ao leitor a tomar a sua opinião. QUARIA NEWS fáz cobertura jornalistica com vista analítico de economia política, respeitando as diversas ideias, motor de desenvolvimento da nossa democracia. Para QUARIA NEWS a tecnologia não está para mudar a informação, pois muda e sempre mudará os meios de informação, A VERDADE SEMPRE PREVALECE. A QUARIA NEWS constitui sem prejuízo os seus valores e a sua vivacidade jornalistica, um traço de união entre todos os moçambicanos, independentemente das suas opiniões politicas, localização regional ou crenças religiosas, desempenhando um papel moderador de Conflitos que se manifestam na sociedade Moçambicana! A QUARIA NEWS concilia a sua vocação de órgão de grande informação através de vários meios de transmissão e difusão da mesma, com o seu papel tradicional de jornal de referência com responsabilidades na formação de opinião pública dirigente. A QUARIA NEWS respeita o normativo da Constituição da República, segundo o qual o exercico dos direitos de liberdade de expressão e informação, "não pode ser impedido ou limitado por qualquer tipo de censura", entendendo-se por censura a sonegação ilícita de informações, por razões políticas ou outras, e não a necessária e legitima seleção de notícias e artigos de opinião. A QUARIA NEWS assegura, nas suas páginas, a possibilidade de expressão e confronto das diversas correntes de opinião existentes no País, mas não se esquece que o bom Jornalismo se faz com o trabalho dos jornalistas e dos editores. QUARIA NEWS produz um jornalismo apartidario, crítico e independente, cultivando o contraditório como método inalienável. QUARIA NEWS verifica, escrupulosamente, as fontes noticiosas utilizadas e procura identifica-las com precisão, reservando-se o direito de analisar caso a caso, as circunstâncias excepcionais que possam justificar o recurso nos termos da lei, à respectiva confidencialidade, constituindo-se o jornal em grande da sua autencidade. QUARIA NEWS estabelece, rigorisamente, a distinção entre notícias e comentários, na base do princípio de que" os factos são sagrados, os comentários são livres", sem prejuízo da necessidade de ordenar, relacionar e explicar os acontecimentos relatados. A QUARIA NEWS assume responsabidade de emitir opinião própria, através de editoriais assinados pela Direcção, sempre de acordo com a linha editorial, que se define pelas seguintes caracteristicas: *Hierarquiza o seu noticiário segundo critérios de natureza jornalística, procurando avaliar a sua importância relativa, com a objectividade possivel e não consoante apriorismo ideológicos; *Respeita um conceito de seriedade jornalistica e não cede ao apelo fácil do sensacionalismo, que procede através da expansão do escândalo político, do crime e do sexo, apesar de ter conhecimento dos benefícios possiveis em termos de mercado de leitura. * Repugna o jornalismo do tipo confidencial, que não exista perante a devassa á intimidade da vida privada dos cidadãos nacionais ou residentes do mesmo modo que se recusa a conduzir campanhas com objectivos de denigrir a reputação de pessoas ou instituições. A QUARIA NEWS consagra particular atenção, na linha que é tradicional, ao noticiário e a divulgação cultural, e procurarmos manter as suas colunas abertas a colaboração das personaludades de maior relevo a cultura Moçambicana. A QUARIA NEWS garante a seus profissionais de jornalismo, o pleno respeito pelos princípios éticos de imprensa, consagrados no Estatuto do Jornalista e no Código Deontologico da profissao e reconhece a importância da acção do Conselho de Redação, para a respectiva salvaguarda. QUARIA NEWS segue a orientação definida nos termos da Lei 18/91 de 10 de Agosto, pelo seu Director e por este Estatuto Editorial, tendo como limites os princípios consagrados na constituição.

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo